Ilha Brava tem um “enorme potencial” de desenvolvimento – Olavo Correia

  • 09/01/2019 06:02

O vice primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, considerou durante a sua visita à Brava que a ilha possui um “enorme potencial” de desenvolvimento em diversas áreas.

Segundo o ministro, a ilha tem um “grande futuro” a sua frente e, por isso, pediu para não se pensar “numa Brava desconectada do resto do país, descriminada e que não tem acesso”.

Para Correia, a Brava de que se está a falar é de uma ilha com um “enorme potencial de desenvolvimento, um enorme potencial turístico, com alto potencial a nível da sua própria diáspora em termos de investimentos no sector, com potencial a nível cultural, a nível histórico”, mas também uma ilha que tem condições para potenciar uma escala internacional, salientou o vice-primeiro-ministro, convicto de que a ilha apresenta “um grande diferencial” em relação à demais.

Conforme o mesmo, o objectivo é criar condições para atrair investimentos privados, fazendo da ilha “100% renovável” em energia, “vendendo uma narrativa” do ponto de vista cultural e histórico, mas também do ponto de vista ambiental, de excelência para o mundo.

Nesta lógica, para o governante, isto traz para a Brava investimentos, empregos de qualidade, rendimentos e qualidade de vida para as pessoas residentes na ilha.

Olavo Correia reconheceu o trabalho que tem vindo a ser feito pela câmara em matéria de requalificação urbana e adiantou que o Governo está a trabalhar para “resolver” os problemas actuais, com os quais a Brava se confronta.

O mesmo elencou alguns dos problemas, nomeadamente na área da saúde, em que o Governo pretende investir em todos os centros de saúde e delegacias de saúde do país, inclusive no da ilha Brava, a resolver a questão da água e com uma “grande aposta” na qualificação dos recursos humanos, desde a educação até a formação profissional.

Por sua vez, o presidente da Câmara Municipal da Brava, Francisco Tavares, enalteceu a visita, o que demonstra a “grande conexão e ligação” da parceria que se está a construir entre o Governo e o poder local, para a construção da “Brava dos nossos sonhos” e para a “felicidade dos bravenses”.

Para o autarca, nas conversas foi “perspectivado” o caminho a seguir e o foco que deve ter para o desenvolvimento da Brava, ancorado, sustentou, num “turismo diferenciado de alto valor acrescentado”, ligado à natureza e à cultura.

Durante a estadia na ilha, o ministro realizou uma visita de cortesia ao presidente da Câmara Municipal da Brava, a repartição das Finanças, as obras da pedonal da Furna, Delegação das Alfândegas, obras do Mercado de Peixe, obras de arruamento em Lomba, esquadra policial, entrega de kits de inserção, encontro com jovens e apresentação do PEDS Brava.

MC/AA

Inforpress/Fim