O INFERNO BINTER - Por Gualberto do Rosario

  • 05/12/2017 20:44


Os passageiros que viajavam, hoje, do Sal para São Nicolau, grande parte com compromissos no ambito das comemorações do dia do município, alguns para hoje, foram informados que não era possível realizar o voo de ligação via Praia. Tinham a opção de viajar para Praia, via São Vicente, mas iam chegar à Praia cerca de uma hora depois da partida do avião para São Nicolau, que não se poderia atrasar, para não prejudicar a ligação com outras ilhas! Ia, ou vai, provavelmente vazio, tendo em conta o número de passageiros do Sal para São Nicolau. Eu era um dos passageiros, com um compromisso oficial para hoje, às 16h e 30m. Ninguém soube explicar porque sacrificaram exatamente o voo para SN. Porque não São Vicente, ou Fogo, ou Praia, ou Boavista.

 

O preconceito relativamente à ilha de São Nicolau, pelos vistos, é um caruncho que consome o tutano da Binter. Suspenderam as ligações diretas Sal/SN/Sal, suspenderam as ligações diretas SN/SV/SN e, pelos vistos, adotaram o princípio de sacrificar a Ilha de Chiquinho, antes de qualquer outra, na existência de problemas operacionais. Ou seja, a ilha que tem as ligações mais penalizadoras do ponto de vista económico e do passageiro, com limitação do numero de voos semanais, é aquela que é sacrificada antes de qualquer outra. E onde está o governo para dizer que não pode ser assim?


Mas há mais. A Binter tem um cubículo no corredor do aeroporto do Sal, sem funcionários qualificados para uma situação como esta, sem espaço de atendimento. Sem dignidade. As pessoas ficam amontoadas no corredor, como se fossem animais à espera de vez para matadouro.
Compreendemos que a companhia queira minimizar os seus custos. Apoiamos. Mas que respeite os minimos: a dignidade das pessoas e das ilhas.
Quanto a São Nicolau, é chegado o tempo de os autarcas, os deputados, as forças vivas da Ilha, as personalidades naturais e de origem da Ilha se levantarem numa cruzada para dizer um basta a esta atitude discriminatória. Tem acontecido sempre. Recentemente com o Praia d'Aguada, com a programação dos voos da Binter e, agora, com a ilha como a primeira a ser sacrificada, quando há problemas operacionais. Chega de preconceito!