População bravense pede "medidas" para às situações que ocorrem no serviço de saúde na ilha

  • 13/04/2019 18:51

Os bravenses estão revoltado, após um acidente de viação que envolveu o carro da Delegacia de Saúde da Brava e era o delegado, Carlos Dias, quem estava no volante, que segundo informações estava embriagado.

De acordo com fontes, este não é o primeiro acidente em que envolve o médico e o carro do Estado e fora do horário de serviço.

Mas, até agora o Ministério de Saúde não tomou nenhuma medida para pôr cobro a esta situação.

Sem ser disso, alguns pacientes, estão a reclamar, alegando que ao deslocarem ao hospital para fazerem uma consulta, este não lhes deixam apresentar todos os sintomas ou as dificuldades de saúde que estão tendo, a ponto de dizer-lhes que consultem somente uma coisa e que marquem outra consulta para outras queixas.

Não obstante a isto, vários pacientes pertencentes ao Instituto Nacional de Providencias Sociais - INPS, dizem-se “injuriados” pelo médico, pois, quando são consultados pelos enfermeiros, ficam horas e horas aguardando para que o médico passe a receita de forma a permiti-lhes beneficiar dos descontos do INPS.

Outra situação que está preocupando alguns pacientes, é a questão de não ter nenhum motor ou gerador nesta delegacia, sendo os enfermeiros ou os pacientes os responsáveis para procurarem soluções, principalmente se for a noite, o período que houver falhas de luz.

E caso a luz eléctrica falhar, se estiver algum paciente em estado crítico, necessitando de estar ligado a máquina, não há como fazê-lo, porque não existe nenhuma outra fonte de energia eléctrica no hospital.

Entretanto, não foi comprovado que este estava embriagado, pois, a esquadra Policial da Brava está há vários meses sem os equipamentos que permitem a realização dos testes de alcoolemia (Bafômetro).