70 anos sobre o naufrágio do navio "John S. Schmeltzer"

  • 01/08/2017 00:00

No próximo dia 25 de novembro, completar-se-ão 70 anos do famoso naufrágio do navio "John S. Schmeltzer" em Ponta Canjana, arredores de Praia Formosa (Município de Porto Novo), em Santo Antão.

Ocorrido em plena fome de 1947 (que terá ceifado a vida a mais de 20.000 caboverdeanos), o naufrágio do "John", carregado de milho vindo da Argentina e a caminho da Suécia, foi, seguramente, um dos maiores acontecimentos do Século XX em Santo Antão. Pelas milhares de pessoas que terá ajudado a salvar da fome, pelo impacto na estrutura económica e social das duas ilhas (SA e SV), pelas pequenas grandes histórias que ali se moldaram e que povoaram meu imaginário desde tenra idade. Quem aqui não conheceu/conhece alguém que esteve em Praia Formosa naqueles dias de móia pós-naufrágio?

No entanto, é muito provável que a data passe em branco. Sem um evento que seja, para reavivar a memória colectiva a transmitir às gerações sucedentes. Sem momentos de partilha. Sem marcos nem testemunhos para a posteridade. Sem identidade. Sem investigação. Sem miríades de produtos turísticos que dali se pode extrair (e depois, ala de encher o peito e falar do "potencial turístico de Santo Antão" em mais uma mesa redonda inconsequente...).

Fosse um Kassav da vida para 2hs de concerto, vontade & dinheiro público haveriam de aparecer de certeza. Memória colectiva? História como identidade e produto turístico? Ao diabo com essas leviandades...!

Caboverduras, dizia...

(Eu, neste dia, hei-de fazer nem que seja um brinde com meu velho Junzin d'Pólina ali na varanda, enquanto peço-lhe que me conte, pela milésima vez, as quase 18hs de caminhada que fizera entre Ribeira da Torre e Praia Formosa naquele longínquo ano de 1947, para ir ter com o "John"...)


Paulino Dias