Banco de Sangue do Hospital São Francisco de Assis forma técnicos da Brava

  • 17/11/2018 07:51

Profissionais da Delegacia de Saúde da ilha Brava estão já capacitados em matéria de sensibilização da doação de sangue, pela responsável do Banco de Sangue no hospital da Região Fogo-Brava.

A formadora, Élvia Santos, explicou à Inforpress que o objectivo da acção de capacitação, realizada esta quinta-feira, é “sensibilizar e capacitar” os profissionais de saúde desta delegacia, em promoção da dádiva de sangue, com o intuito destes “atingirem” a população, sensibilizando-a e demonstrando a importância da doação de sangue.

De acordo com a responsável do Banco de Sangue, a campanha de doação de sangue na ilha tem tido algumas dificuldades, uma vez que a população, está ainda um “pouco resistente e pouco solidária” em relação a esta matéria.

E é devido a esta falta de solidariedade e sensibilidade, que o hospital regional quer dar cobertura à ilha Brava. E para iniciar, conforme a fonte, é necessário preparar o pessoal da área de saúde, nesta matéria, para depois passarem a informação à população local.

“É necessário conhecerem a importância da doação de sangue, que é um gesto nobre, e que salva a vida de outras pessoas”, salientou Élvia Santos.

Na ilha não existe um banco de sangue, mas caso houver doadores disponíveis, os técnicos da ilha do Fogo deslocam-se até à Brava para fazerem a campanha e a recolha e depois regressam para conservar o sangue recolhido.

Segundo esta responsável, o mais importante é reunir um conjunto de possíveis doadores, para que uma equipa possa se deslocar do Fogo.

Após esta acção de capacitação, o Delegado de Saúde, Carlos Dias, enalteceu a iniciativa e deixou claro que agora, o trabalho será feito no terreno, com os técnicos formados, de forma a sensibilizar estas pessoas.

“Doar sangue é salvar vida. Temos o Banco de Sangue no Hospital Francisco de Assis, que é também utilizado pelos pacientes da ilha Brava quando necessário, por isso têm de ser solidários no sentido de doarem sangue também”, adiantou o dirigente da delegacia de saúde.

Para Carlos Dias, é “necessário mobilizar” a população, para que o Banco de Sangue esteja sempre com o stock de sangue disponível, para dar respostas às demandas.

Segundo Dias, desde 2015, a luta desta Delegacia, junto do     Ministério de Saúde, para que as delegacias das ilhas de São Nicolau, Maio e Brava “tenham condições para terem um ‘stock’ mínimo de sangue, no caso de emergências, mas enquanto isto não se torna realidade, a solução é apostar na sensibilização das pessoas, e abastecer o Banco de Sangue da Região Sanitária”, finalizou o delegado.

 

Inforpress/Fim