Brava: Agrupamento da EBNSM terá sala de informática e biblioteca no início do ano lectivo 19/20

  • 17/07/2019 15:36

O agrupamento da Escola Básica de Nossa Senhora do Monte (EBNSM) será apetrechada no início do próximo ano lectivo 2019/20 com uma sala de informática e uma biblioteca, segundo o delegado da Educação na ilha, Orlando Burgo.

Orlando Burgo fez este anúncio no acto de abertura do “Fórum – pensar a EBNSM”, que está sendo realizado na escola de Palhal, adiantando que já adquiriram dez computadores e estão a aguardar pela chegada de quatro mesas, algumas cadeiras, estantes e um acervo bibliográfico para a escola sede.

No acto de abertura do evento, o delegado da Educação salientou que o evento não deveria ser denominado de fórum, mas sim de um “brainstorming ou uma chuva de ideias” sobre a EBNSM, pois um fórum implicaria reunir toda a comunidade educativa e outras personalidades para apresentação de vários painéis, versando várias dimensões da EBNSM, seguido de debates e orientações para o desenvolvimento no futuro da mesma.

Daí, o delegado sugeriu que pode ser discutida a possibilidade de posteriormente pensar num fórum, na época em que poderão estar de passagem na ilha personalidades que se encontram emigradas e outras entidades, que poderão ser convidadas.

Entretanto, em modo de contribuição, Orlando Burgo adiantou que gostaria de ver a EBNSM com um edifício ampliado e reabilitado, contendo, espaços administrativos, placa desportiva, laboratórios de línguas, entre outros.

Igualmente, realçou que seria de “extrema importância” a implementação na prática do decreto lei nº 8/2019 de 22 de Fevereiro de 2019, que estabelece o regime da organização, da administração, gestão e funcionamento dos estabelecimentos públicos dos ensinos básico e secundário.

A autonomia financeira e patrimonial, criação de condições para a implementação do 9º e 10º ano, ter as escolas do agrupamento todas ligadas à rede de internet, cozinhas e refeitórios devidamente equipados são outros anseios do delegado que, segundo o mesmo, estas são as condições mínimas, para que as crianças possam instruir e aprender de forma “integral e harmoniosa”.

Por seu turno, o director do agrupamento, Austelino Tavares explicou à Inforpress, que tendo em conta o final de mais um ano lectivo e tendo em conta que alguns professores podem ser transferidos para outros concelhos, decidiram reunir para a recolha de subsídios das experiências dos professores, das visões que possuem, e assim, produzirem no final um documento com todas as recomendações e sugestões do que pode ser feito para melhorar.

Mesmo não tendo uma participação massiva por parte dos professores, o dirigente diz estar convicto de que o objectivo será alcançado, tendo em conta a motivação dos que estão a participar.