Brava: Ministro considera que a ilha é afectada duplamente na questão dos transportes

  • 04/08/2019 08:34

O ministro do Turismo e Transportes e ministro da Economia Marítima, José Gonçalves, considerou neste sábado que a ilha Brava está duplamente afectada na questão dos transportes.

O ministro fez estas considerações à imprensa, após o encontro realizado com os operadores económicos, em que salientou que houve pouca gente, mas muita participação.

O mesmo considerou que foi um encontro importante, tendo em conta que os problemas mais críticos foram aflorados.

De acordo com o mesmo, estes problemas já são do conhecimento de todos, realçando os habituais constrangimentos relacionados com a questão dos transportes, adiantando que este é o “maior desafio”, no sentido de ter um maior escoamento de pessoas, uma articulação dos transportes marítimos e os aéreos, a questão da saúde e da água.

Também, neste encontro, teve a oportunidade de lembrar aos presentes de que o Governo já tem uma solução de transportes marítimos que vai ligar todo o país, através de uma concessão única que começa a partir de 15 de Agosto e que estão a trabalhar com os transportes aéreos, no sentido de assegurarem um melhor escoamento.

Perante este quesito, realçou que a ilha Brava, está duplamente afectada pelos transportes, não só pela questão do mar que não ajuda, principalmente nesta época do ano, mas também nos transportes aéreos, tendo em conta que para o Fogo, também há constrangimentos.

A nível dos transportes aéreos, adiantou que já foi anunciado que num futuro próximo haverá mais ofertas de transportes inter-ilhas, o que leva-o a acreditar que as condições da ilha vão melhorar.

Um facto que deixou-o muito animado, foi o ponto da situação apresentado pelo comandante da esquadra policial da Brava, demonstrando que há equipamentos necessários e na questão de segurança, conseguiram ver que é uma ilha “muito segura, com baixa taxa de criminalidade”, ressaltando, que a corporação de 20 efectivos está “bem” assessorada.

Deste encontro, ficou também decidida a necessidade da criação de uma associação dos operadores turísticos da ilha, desde os ligados aos transportes, alojamentos, restauração, tudo o que faz parte para fazer da Brava um destino “privilegiado” turístico, com um turismo “diferenciado e complementar” a ilha do Fogo.

O chefe da cooperação da União Europeia (UE) em Cabo Verde, José Roman Leon Lora, que encontra na ilha a convite do ministro, e esteve presente no encontro, ressaltou que na ilha, “deve ser preservada” o património urbano, um bem comum que possui, principalmente na questão das pinturas das casas.

Além das questões dos transportes, água, saúde, referiu também a importância da união entre as autoridades locais, associações diversas e Organizações Não Governamentais (ONG), para trabalharem juntos, pois, a administração segundo o mesmo não pode fazer tudo.

A mesma fonte considera que a ilha possui um “potencial fantástico”, que deve ser preservada, protegida e promovida o seu património urbano e transformada numa ilha que oferece um turismo alternativo, rural, que deixa muitos recursos nos investidores locais exemplificando com o desenvolvimento turístico da ilha de Santo Antão.

O dia ficou marcado ainda com algumas visitas a alguns pontos turísticos da ilha, que continua neste domingo.

MC/CP

Inforpress/Fim