Brava/Retrospectiva/Educação: Inauguração das obras de ampliação da ESET e encerramento de algumas escolas em destaque

  • 01/01/2019 12:39

 inauguração das obras de ampliação da Escola Secundária Eugénio Tavares deram um novo “up” na estrutura do liceu, com melhores condições a nível de laboratórios e outros materiais.

Com a concretização das obras do liceu, o mesmo A ESET passou a ter 19 salas de aulas totalmente equipadas, dois laboratórios, duas salas de informática, uma biblioteca, um auditório para 300 pessoas, uma placa desportiva coberta, com todas as condições e equipamentos necessários para o “incentivo e trazer mais ânimos, assim como, melhorias nos resultados dos alunos”.

No acto da inauguração, o delegado da Educação, Orlando Burgo, considerou que o acto foi a “concretização de um sonho há muito almejado”.

Em modo de balanço, o delegado salientou que houve uma melhoria e remodelação de algumas infra-estruturas educativas e no funcionamento” do serviço de acção social e saúde escolar, como a elaboração e implementação do plano de saúde escolar, identificação e tratamento de crianças com certas patologias, visitas às escolas periodicamente para seguimento, após o tratamento.

Algumas escolas foram desactivadas, algumas por terem um número muito reduzido de alunos, outras por estarem a degradar, levando a deslocação dos alunos de uma localidade para outra.

Outras escolas, com apoio de algumas associações de emigrantes já foram reabilitadas e criadas melhores condições, entretanto, outras estão aguardando para o financiamento.

Tendo em conta o lema do ano lectivo 18/19 “Mais Educação, Mais Inclusão”, a Sala de Recursos, em parceria com a direcção das escolas e a delegação escolar na ilha, têm realizado várias actividades, desde a sinalização dos alunos com necessidades Educativas Especiais, acompanhamento dos mesmos, dos encarregados de educação, a formações destinadas aos professores e coordenadores.

Mesmo as direcções das escolas realizaram um leque de actividades, desde conversa abertas, palestras, marchas, promovendo a inclusão e chamando a atenção dos alunos e da população em geral sobre alguns flagelos sociais, como o VIH SIDA, VBG, entre outros.

Ainda a nível da educação, o autarca Francisco Tavares adiantou que a autarquia tem subsidiado mensalmente cerca de 350 mil escudos a estudantes desta ilha em diferentes universidades do País e tem estabelecido protocolos que permitam a redução de propinas na ordem dos 50 por cento e disponibiliza transportes gratuitos a estudantes em concertação com a Escola Secundária para travar “uma percentagem considerável do abandono escolar”.

MC/AA

Inforpress/Fim