Brava: VI fórum da família com avaliação “positiva” da organização e dos participantes

  • 28/05/2019 05:04

O VI fórum da família, que decorreu desde sábado na localidade de Nossa Senhora do Monte, sob o lema “Família torna-te aquilo que és”, terminou neste domingo, com uma avaliação “positiva” de todos os sectores.

Segundo o pároco da Brava, membro da organização e acolhedor do fórum, Euclides Pires, o evento atingiu as expectativas almejadas, onde as famílias foram os protagonistas.

Conforme salientou, quando há um empenho das famílias na exposição dos temas, participação massiva e activa, quando os participantes correspondem, “dá gosto e elimina o cansaço da organização”.

Considerada como o núcleo da sociedade”, o pároco salientou que a própria família sabe que tem uma responsabilidade na sociedade, não só familiar, mas também a nível social.

Por isso, adiantou que os temas escolhidos neste fórum “reflectem justamente aquilo que a família deve ser na sociedade” e o rumo que muitas estão enveredando hoje, que necessita de mudanças.

Lila Pires, membro do secretariado da família de São Lourenço do Fogo, participante neste fórum, considerou que esta edição foi muito satisfatória, tendo em conta os benefícios que estes dois dias de reflexão vão trazer para as famílias que participaram e para os que vão conviver com elas no dia-a-dia.

Em relação ao lema, a mesma fonte referiu que é justamente o que a sociedade quer.

De acordo com Lila Pirres, porque hoje as famílias estão diferentes e a sociedade também, é necessário que as famílias voltem ao conceito tradicional, para que estejam mais unidas e assim vencerem as mudanças e os avanços que a sociedade vem sofrendo.

Neste particular, prosseguiu, a igreja possui este papel de apoiar as famílias a construírem uma sociedade melhor.

Por seu turno, João Barbosa, um membro do secretariado da família da Brava e que já participou em todos os fóruns realizados, considerou estes certames “muito importantes”, tendo em conta que estes “levam os cristãos a seguirem os caminhos da igreja”.

“Praticamente, entram vazias e no final a bagagem que levam com elas é muita”, vincou.

De acordo com João Barbosa, os fóruns tem melhorado anos após anos, não só em termos de temas escolhidos, mas também a nível da participação das pessoas, onde tem aumentado o interesse por parte das famílias em fazer parte deste grupo de reflexão.

Egídio Santos, pároco da paróquia de Nossa Senhora da Ajuda em Santa Catarina, na ilha do Fogo e vigário da região Fogo Brava, considerou que as pessoas e famílias que participam nos fóruns saem com muita motivação e que sempre é visível as mudanças nas suas vidas e nas paróquias.

Sublinhando que a maior preocupação da vicaria é “acompanhar” as famílias que enfrentam dificuldades a nível da incompreensão, dos males sociais, entre outros, o religioso indicou que o foco é continuar com estas acções de reflexão e tentar encontrar soluções para problemas que afectam as famílias.

Este fórum teve a participação de 220 pessoas, sendo que 140 são oriundas da ilha do Fogo e as restantes da ilha organizadora e acolhedora.