Cabo Verde Interilhas realiza 530 ligações e transporta 71 mil passageiros em cinco semanas

  • 27/09/2019 06:13

A Cabo Verde Interilhas já efectuou 530 ligações e transportou 71 mil passageiros nas cinco semanas da sua entrada em funcionamento, informou a empresa, mostrando-se “confiante” no seu percurso.

Em comunicado, a empresa avançou que nas ligações entre Sal e Boa Vista para São Nicolau/S. Vicente, e para Praia se registou uma procura de 9.000 passageiros nas 103 viagens efectuadas, correspondendo a 1.800 passageiros por semana.

Conforme o documento, a concessionária do transporte marítimo de passageiros, veículos e carga nas ligações entre ilhas tem vindo a aumentar a sua rede de agentes e postos de venda de bilhetes, zelando pelas parcerias, por forma a ter “maior cobertura” a nível nacional.

“O aumento para mais de 30 postos de venda oferece uma maior capacidade de resposta localmente na procura de bilhetes”, refere a mesma fonte.

Actualmente, a empresa opera com quatro navios em diversas linhas, mas, segundo adiantou, a frota será reforçada no próximo mês de Outubro com mais um barco, neste caso o navio a motor “Sotavento”.

“Este navio vem juntar-se à frota operacional da Cabo Verde Interilhas, com o principal objectivo de reforçar as ligações e manter o funcionamento normal da actividade, num momento em que o navio Praia d’Aguada terá que ir, nos primeiros dias de Novembro, para a manutenção e recertificação obrigatória”, lê-se no comunicado.

A empresa mostra-se “confiante no seu percurso” reafirmando o compromisso de que “tudo fará” para promover as necessárias alterações e melhorias que trarão maior qualidade no serviço.

Cabo Verde Interilhas é detida em 51% pela Transinsular e Transinsular CV, do GRUPO ETE, que opera há mais de 30 anos em Cabo Verde. Os outros 49% do capital são detidos pelos armadores nacionais.

Recentemente, o Governo autorizou a Direcção-Geral do Tesouro a conceder um aval de 518 mil contos à Cabo Verde Interilhas (CV Interilhas), como garantia de um empréstimo bancário a ser negociado por esse consórcio e Caixa Económica e a International Investment Bank (IIB).

O presidente da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID, oposição), António Monteiro, reagindo a esta decisão do executivo, considerou que isto vai “solidificar cada vez mais o monopólio nos transportes marítimos”.

Por sua vez, o Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV-oposição) observou que este aval à Cabo Verde Interilhas significa que o “parceiro estratégico não tinha dinheiro” e nem “acesso ao capital sem as garantias do Estado”.

Já o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, defendeu que o aval do executivo significa que “o Governo acredita no projecto”.

 

Inforpress/Fim