Deputado do PAICV pede averiguação urgente da PGR no caso do delegado do Ministério da Agricultura na Brava

  • 31/08/2018 11:23

O deputado nacional do PAICV solicitou hoje uma averiguação urgente da Procuradoria Geral da República no sentido de se apurar as denúncias feitas pela população contra o delegado do MAA na Brava acusado de usar meios públicos em benefício próprio.

Clóvis Silva que foi eleito deputado nacional do Partido Africano para a Independência de Cabo Verde (PAICV) pelo círculo eleitoral da Brava, fez este apelo em conferência de imprensa, esta quarta-feira, na Cidade da Praia, a propósito das denúncias feitas pelos agricultores e criadores de gado da Brava contra o delegado do Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA), Estevão Fonseca, acusado de estar a utilizar meios financeiros, transportes e funcionários deste ministério em benefício próprio.

Para este deputado, ciente da situação actual do país resultante do mau ano agrícola, não se pode, conforme afirmou, “aceitar como normal que as situações que foram denunciadas e presenciadas pela população fiquem sem medidas adequadas e urgentes”.

“Eu pessoalmente apurei junto dos agricultores e criadores de gado e estes confirmaram que o senhor delgado do Ministério da Agricultura tem uma horta em plena cidade de Nova Sintra, que entrega um autotanque do ministério para que privados façam transporte de agua para a horta para fins privados, e confirmaram ainda que o delegado é visto a levar sacos de produtos da horta no veiculo do Estado para embarcar no navio Kriola”, disse.

Disse ainda, que as situações de gestão de recursos de associações como a da Lomba Tantum são “pouco claras” e podem indicar aproveitamento pessoal com a referida associação e ter a cativação de verbas de programas para apoiar as pessoas carenciadas da localidade.

No entender de Clóvis Silva, há uma série de outras situações que precisam ser averiguadas, pois, conforme sustentou, foram denunciadas em localidades diferentes e são factos presenciados por um grande número de pessoas inclusive do MAA.

“Realmente há denúncias não só de ilegalidades administrativas, mas também de crimes segundo denúncias e participações, como de peculato, corrupção, abuso de poder e de participação ilícita em negócios. Já basta o mau ano agrícola para fustigar os nossos criadores e agricultores e precisamos que a gestão dos recursos do Estado seja realizada de forma transparente e criteriosa”, advogou, apelando que todas as entidades públicas investiguem essas ilegalidades para que a situação seja esclarecida a população da Brava.

Asseverou, por outro lado que os deputados municipais do PAICV na ilha Brava entregaram esta terça-feira uma “participação formal” à Procuradoria da Comarca da Brava para averiguação das denúncias feitas pelos criadores e agricultores contra o referido delegado.

 

Inforpress/Fim