FAO coloca Cabo Verde na lista de países com necessidade de assistência alimenta

  • 10/06/2018 14:37

A organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) incluiu Cabo Verde na lista de países a necessitar de assistência alimentar externa, mas autoridades cabo-verdianas asseguram que a situação não é de crise alimentar.

De acordo com o mais recente relatório da organização sobre colheitas e situação alimentar no mundo, o agravamento de conflitos e as condições climáticas adversas aumentaram para 39 o número de países a necessitar de ajuda alimentar externa. "A lista inclui agora 39 países, mais dois do que em Março, com a entrada de Cabo Verde e Senegal", adianta a FAO, citado pela Lusa.

Refere-se que Cabo Verde é colocado entre os países com "quebra excepcional de produção de alimentos", apontando o relatório o fraco ano agrícola de 2017 e a "significativa perda" de cabeças de gado.

A FAO estima em 192 mil (35% da população), o número de pessoas a necessitar de assistência alimentar entre Março e Maio, sobretudo devido aos défices de produção agrícola e pecuária. Esta organização internacional prevê ainda que, entre Junho e Agosto deste ano - época habitual das chuvas - esse número poderá descer para as 80 mil pessoas.

Primeiro-ministro nega que o pais esteja em crise alimentar

Entretanto, de visita a São Tomé e Príncipe, o primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva assegurou que o país não está a atravessar uma crise alimentar. "Não há um problema de emergência alimentar, quer dizer de crise de alimentos para os cabo-verdianos, isto não existe", anuncia Correia e Silva, em declarações à Televisão de Cabo Verde (TCV).

Para o chefe do Governo de Cabo Verde, a integração na referida lista resulta "do impacto da produção agrícola e pecuária e o efeito directo nas pessoas que vivem dessas actividades, devido, principalmente, ao mau ano agrícola de 2017".

Conforme noticia a Lusa, dos 39 países da lista, 31 localizam-se em África e, entre os países lusófonos, além de Cabo Verde consta também Moçambique. “Os conflitos persistentes e a queda irregular de chuva originaram uma quebra recorde de 1,5% na produção anual de cereais a nível mundial”.

De ressaltar, que Cabo Verde atravessa uma das piores secas das últimas décadas, tendo em aplicação um programa de emergência para o qual mobilizou 10 milhões de euros junto dos parceiros internacionais. “A maior fatia foi disponibilizada pela União Europeia (EU), que deu um apoio de sete milhões de euros para o programa, que inclui ainda contribuições do Banco Africano de Desenvolvimento a título individual e em parceria com a FAO (2,2 milhões de euros), Luxemburgo (500 mil euros), Itália (300 mil euros) e Bélgica (170 mil euros), Espanha (50 mil euros) e Estados Unidos (42 mil euros). A estes valores juntam-se mais 100 milhões de escudos (906 mil euros) do Orçamento do Estado para 2018”, salienta a fonte.

Recorde-se, que o programa de emergência tem como medidas prioritárias o salvamento de gado, mobilização de água, acesso a financiamento e criação de emprego no meio rural, mas têm surgido queixas de agricultores e criadores de gado de que as medidas são insuficientes.