Fogo: Região sanitária Fogo/Brava é a mais consolidada do país – ministro Arlindo do Rosário

  • 11/08/2019 14:24

A região sanitária Fogo/Brava é a mais consolidada de Cabo Verde e cada vez está a melhorar as suas capacidades de respostas, disse hoje o ministro da Saúde e Segurança Social, Arlindo do Rosário.

O titular da pasta da Saúde, que iniciou hoje a sua visita à ilha do Fogo, depois de cumprir dois dias de trabalho na ilha Brava, afirmou que vai se deslocar aos três municípios da ilha e reunir-se-á com o pessoal afecto ao seu ministério.

Apesar dos problemas da região Fogo/Brava, Arlindo do Rosário indicou que “hoje, muitas situações, que obrigavam a transferência de dos pacientes, para o hospital Agostinho Neto, na Praia, são resolvidas na ilha”, advogando que isso é bom porque poupa o sofrimento das pessoas, as despesas com as deslocações das mesma e que conseguem encontrar a saúde na sua ilha e na região.

O governante, presidia à cerimónia de entrada em funcionamento da unidade sanitária de Base de Monte Largo (São Filipe), salientou que, além dos dois ortopedistas que chegaram sexta-feira à ilha, para apoiar o hospital regional São Francisco de Assis, o Ministério está a montar e tem uma equipa móvel de especialistas que deslocarão a todas as ilhas de Cabo Verde para responder à demanda nas diferentes áreas de especialidades.

Arlindo do Rosário disse ter regressado da Brava, onde passou dois dias, satisfeito com aquilo que viu em termos de realizações e de prestações de cuidados de saúde, sublinhando que com as dificuldades que todos conhecem, a ilha está a desenvolver-se e a melhorar-se cada vez mais, sublinhando que a nível da ilha do Fogo pretende conhecer a dinâmica de desenvolvimento da região sanitária.

“Quando melhorarmos a prestação dos cuidados na região Fogo/Brava estamos a diminuir a ida de pessoas para o hospital Agostinho Neto, que fica com os casos mais complicados”, disse, indicando que o objectivo é priorizar o tratamento no local, na delegacia ou hospital e isso é um trabalho que o seu ministério está a tentar fazer porque Cabo Verde é ilhas e há tentar unir todas.

A unidade sanitária de base de Monte Largo funciona no espaço construído e inaugurado em 2014, através de financiamento de Associação Cabo Verde-Geneve e que desde mês e Julho se encontrava equipada para entrar em funcionamento.

A delegada de Saúde de São Filipe, Joana Alves, indicou que mais de 90 por cento dos equipamentos (cadeira, secretarias, mesas, estantes) foram financiados pela associação e que a delegacia entrou com macas, camas e consumíveis.

O espaço, além de amplo, dispõe de todas as condições para a prestação de serviço e com a entrada em funcionamento, segundo o director da Região Sanitária Fogo/Brava, Evandro Monteiro, as pessoas de Monte Largo e as zonas periféricas deixarão de se deslocar a Achada Furna para um simples curativo, poupando tempo e recursos.

Depois da abertura da unidade sanitária de base de Monte Largo, o titular da pasta da Saúde e todos os responsáveis das estruturas de saúde na ilha do Fogo deslocaram-se a Chã das Caldeiras para visitar o sítio onde será edificado o centro de saúde naquela localidade, previsto no plano de desenvolvimento sanitário da região.

A estrutura vai ser construída no povoado de Bangaeira, devendo ocupar uma área de mil metros quadrados e terá várias valências, como sala de espera, recepção, espaço para funcionários e para público, área administrativa, gabinetes (03), sala de reuniões, sala de administração.

Arlindo do Rosário não quis avançar com informações sobre o projecto, prometendo faze-lo na segunda-feira, após encontrar com o arquitecto Leão Lopes, do Instituto Universitário de Arte, Tecnologia e Cultura do Mindelo (M_EIA), cujo gabinete técnico para assistência técnica no domínio de arquitectura e de tecnologias de construção sustentável é responsável pela elaboração do projecto.

Ainda em Chã das Caldeiras Arlindo do Rosário reunir-se-á com os responsáveis sanitários da ilha, seguido de visitas as estruturas de saúde dos municípios de Santa Catarina e dos Mosteiros.

JR/JMV

Inforpress/Fim