Ilha Brava: Nossa Senhora do Monte e Pé de Rotxa disputam a final do torneio inter zona neste final de semana

  • 29/09/2018 06:36

A equipa de Nossa Senhora do Monte (NSM) e Pé de Rotxa (PDR) disputam, no domingo, a taça do torneio inter zona, realizado na “Ilha das Flores”.

Nas meias-finais deste torneio, a equipa de Nossa Senhora do Monte goleou a de Cruz Grande por 6-1, e Pé de Rotxa venceu a equipa de Furna por 5-4 nas grandes penalidades, sendo assim as duas vencedoras disputam a final e as outras duas a 3ª e 4ª posição.

Além da taça, o organizador do campeonato, Jandir Fernandes, em entrevista à Inforpress, adiantou que, desde os jogos das meias-finais, a organização cobrou bilhetes de entrada para “apoiar” um jovem da ilha que sofreu um acidente, nos seus tratamentos.

Segundo o responsável desta acção social, o objectivo é “colocar toda a ilha a apoiar uma causa nobre”.

Fernandes avançou que o campeonato, normalmente, é para ser realizado todos os anos, mas muitas vezes, por “falta de iniciativa”, há alguns anos não tem sido feito nada.

O principal objectivo do campeonato, de acordo com a fonte, é de “colocar os jovens a competirem e desviá-los dos males sociais, principalmente o alcoolismo”, que tem afectado muito a ilha Brava.

O mesmo lamentou o facto de terem participado somente sete equipas/zonas da ilha, mas ao mesmo tempo, diz-se satisfeito. “Para a ilha Brava, ter a participação destas sete equipas, já é um grande ganho”, isto, devido à grande desmotivação, falta de organização e iniciativa dos jovens da ilha.

Por isso, em termos de constrangimentos, Jandir Fernandes comentou que o principal entrave nem está relacionado com a falta de recursos, mas sim com as pessoas e as equipas que não se “organizam” como deve ser para a materialização do projecto.

“Na Brava tem um aspecto interessante. Se alguém não organizar, reclamam que não é feito nada, se organizar, reclamam que está mal organizado”, disse a mesma fonte, adiantando que, para o sucesso de qualquer evento na ilha, é necessário “focar” nos objectivos e “ignorar” os comentários negativos.

Para finalizar, o organizador apelou aos jovens, no sentido de “procurarem” outras saídas para os seus problemas, em vez de enveredarem para o caminho das drogas, alcoolismo, ou outros males, que prejudiquem não somente eles, mas a sociedade em geral.

Também, para um “maior e melhor” desenvolvimento da ilha, pede à população que seja mais “participante que cumpra o dever cívico de cada um”. Ou seja, que tomem iniciativas e organizem actividades em diversas índoles, “não esperando somente para quem de direito”. “Todos nós podemos contribuir para o sucesso da ilha. Basta organizarmos”, defendeu Jandir Fernandes.

 

Inforpress