Ilha Brava: Pais dos alunos da turma do 1º ano não deixam filhos irem à escola devido a mudança da professora

  • 26/10/2018 08:59

Pais e encarregados da educação dos alunos da turma do 1º ano da escola de Nossa Senhora do Monte garantiram à Inforpress que os seus filhos não vão à escola devido a mudança da professora.

Os encarregados de educação dos alunos da turma da professora Maria Antónia demonstraram-se resistentes perante a decisão da direcção da escola e da Delegação Escolar em mudar a professora por outra que sequer dizem conhecer a metodologia que utiliza para trabalhar.

António Andrade, um dos pais, explicou que se sentem “indignados”, porque a direcção da escola deveria escutá-los, uma vez que estes é que são “responsáveis” pelos filhos.

Segundo Andrade, não concordaram com esta mudança porque com este pouco tempo após o início do ano lectivo sentiram que os filhos estavam aprendendo.

“Nós queremos que a direcção da escola ou a delegação pondere bem sobre este assunto de forma a devolver-nos a nossa professora para os alunos”, solicitou este pai.

Jaquelina Centeio, também mãe de uma filha que frequenta o 1º ano, mas que necessita de cuidados especiais, assim como outros dois pais que têm crianças com necessidades especiais, explicou que a sua filha passou cerca de quatro anos no jardim infantil e nunca teve o desempenho que está tendo agora que entrou no 1º ano.

“Como mãe vi que a minha filha estava sentindo satisfeita, mas hoje ela chegou diferente, não porque estou colocando em causa a outra professora, mas sim vendo que as crianças já começavam a habituar -se com os cuidados da professora Antónia”, reforçou.

Para José Veiga, tendo em conta o estado de saúde do seu filho, era necessários ser “um pouco mais compreensível”.

“Se ela estava cuidando do filho por dois ou três dias, não faz mal, era só mandarem outro professor substituí-la, mas não para substituí-la de vez, pois não fez nada grave”, concretizou.

José Veiga vai mais longe além ao afirmar que muitas vezes é assim que as crianças “não aprendem”, porque ao dirigirem-se à escola no primeiro dia e conhecerem um professor, acostumarem com o método de ensino, com os cuidados, mas de repente surgem certas mudanças e estes ficam “desmotivados e não aprendem nada”.

Assim, em representação do grupo de pais, Veiga disse a primeira medida tomada é “não deixar os alunos irem à escola, até que a direcção se reúna com o grupo de pais”.

“Os nossos filhos vão satisfeitos para casa, estão aprendendo,e é ela que queremos que seja a professora dos nossos filhos”, finalizou António Andrade.