Ilha Brava: Sucesso educativo está na motivação dos seus agentes – delegado Educação

  • 18/09/2018 15:04

O delegado do Ministério da Educação na ilha Brava lembrou hoje, principalmente aos agentes educativos, que o sucesso educativo “não está nas estruturas e nem nas ofertas formativas”, mas sim “na motivação e ousadia” dos profissionais da área.

Orlando Burgo, que discursava no acto de abertura oficial do ano lectivo, hoje em Nova Sintra, ajuntou que as estruturas são “meros espaços” para acolher a comunidade educativa, e basta que estejam munidas de “todas as condições essenciais”.

“Mas, o que determina o sucesso é a paixão pelo educar e ensinar”, concretizou.

O delegado realçou ainda que o país, “não tendo riquezas naturais”, a “única forma” de compensar estas desvantagens é apostar em cidadãos educados, ou seja, precisou, ter trabalhadores “bem formados”, capazes de absorver os avanços e de se adaptarem às inovações tecnológicas e organizacionais.

Como forma de perspectivar o novo ano lectivo, Carlos Burgo fez um balanço público do ano lectivo transacto, apresentando os dados dos alunos que se inscreveram e os resultados finais obtidos naquele ano.

Para este ano lectivo que hoje se inicia, a mesma fonte destacou que o principal objectivo é trabalhar no sentido de “diminuir” a taxa do abandono escolar, em relação ao ano anterior, e “apostar” na inclusão de todos os alunos, tendo em vista a nova requalificação do sistema escolar.

O Ministério da Educação, assinalou, têm implementado “várias políticas e medidas” e para este ano lectivo será dada continuidade da execução das mesmas, que “possibilitarão” uma intervenção nos domínios de “melhoria de qualidade e eficiência do sistema, continuação a implementação do novo plano curricular, capacitação de docentes, inclusão educativa”, entre outros.

Tendo em conta o lema deste ano lectivo, “Mais Educação, Mais Inclusão”, o Coordenador da Sala de Recursos na ilha Brava, Alfredo Gomes, por seu lado, apelou à comunidade para cumprir com as orientações do Ministério da Educação para a “educação inclusiva”.

Para o coordenador, estes objectivos só podem ser atingidos com um “trabalho conjunto”, envolvendo toda a comunidade educativa, desde os pais e encarregados da educação, aos próprios professores, alunos e a sociedade em geral.

Daí que, na ilha, será iniciada uma nova fase de mapeação destes alunos com necessidades especiais para entrarem no sistema educativo, pois, acrescentou, “estas crianças são gente como nós e têm direitos também”.

Por sua vez, o presidente da Câmara Municipal da Brava, Francisco Tavares, demonstrou a disponibilidade em continuar a apoiar o sistema educativo na ilha, desde o fornecimento do transporte escolar a apoios na reabilitação e intervenção em alguns espaços educativos, como forma de “levar adiante a ilha”.

O autarca desafiou os agentes educativos a desenvolverem nos alunos a “capacidade crítica” para “questionarem quando algo não está certo”, assim como a “pensarem para propor soluções”.

 

Inforpress