Liberdadi pode sair da rota S.Vicente-Santo Antão: Operadores preocupados com impato da medida

  • 14/08/2019 04:06

Munícipes do Porto Nono procuraram o ASemanaonline para comunicar que o navio Liberdadi pode vir deixar, a partir desta terça-feira, de operar na rota S.Vicente/Santo Antão. Alertam que vão ser mais afectados com a medida alguns operadores económicos, com destaque para camionistas que deixarão de viajar com suas viaturas afretadas por comerciantes para o transporte de mercadorias entre as duas ilhas mais a norte de Cabo Verde.

Segundo a fonte deste jornal, a informação da retirada da Liberdadi da linha marítima S.Vicente/Santo Antão foi comunicada aos empregados pelo armador - Cabo Verde Fast Ferry, que é o dono do navio. A confirmar essa medida, vai ficar apenas o navio Inter-Ilhas a assegurar a ligação entre as duas ilhas, o que é considerado insuficiente. Consta que o Liberdadi vai ficar com base em Santiago - Praia, a partir da qual deve conetar com ilhas de Sotavento e Barlavento.

O ouvido por este jornal alerta que a movimentação de cargas e passageiros entre São Vicente e Santo Antão vai agora piorar com um único barco nessa rota.« O primeiro impato negativo da medida vai ser sentido nesta semana - de 16 a 18 - com o Festival de Música de Curraletes, em que se vai registar dificuldade no transporte de pessoas no trajeto São Vicente-Porto Novo-São Vicente. Mas os que mais sofrerão os impatos dessa medida são os operadores económicos, com destaque para camionistas que deixarão de viajar com suas viaturas afretadas por comerciantes para o transporte de mercadorias entre as duas ilhas», salienta o informante deste jornal.

Conforme lembra a fonte referida, antes havia três ligações diárias entre S.Vicente e Santo Antão: Inter-Ilhas, Liberdadi e Mar-de-Canal- esta última embarcação saiu, há alguns anos, por iniciativa própria dessa rota, porque não ofereceria segurança na navegação. «Mesmo assim, as ligações não eram suficientes para dar vazão à demanda desse canal, onde se regista um fluxo considerável de movimento de cargas e passageiros», analisa a fonte deste diário digital.

Entretanto, pretendemos ouvir o PCA de Cabo Verde Fast Ferry sobre o assunto, já que tal foi impossível até ao fecho dessa edição.