Óbito/Brava: Familiares, amigos e conhecidos despediram-se do ex-deputado José Domingos

  • 23/01/2019 04:52

Familiares, amigos conhecidos e militantes dos partidos políticos despediram-se hoje do ex-deputado da nação José Domingos Lopes, ao som de música instrumental, na cerimónia fúnebre na ilha Brava.

Na sua homenagem, a presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV – oposição), Janira Hopffer Almada, endereçou mensagens de conforto à família representada pela filha, às autoridades presentes e a toda a população da ilha pela perda.

Janira Hopffer Almada deixou claro que não estava falando como líder partidário, mas sim como uma amiga do malogrado, que teve a oportunidade de conhecer, conviver e escutar conselhos e experiências.

Segundo a mesma, na sua óptica, o que mais caracterizou o ex-deputado do PAICV foi o facto de ele ter conseguido cumprir o sonho da Brava e lutar pela ilha.

“Antes de ser um político, José Domingos era um homem bom. E um homem bom, defende sempre os interesses do seu povo”, considerou a dirigente do principal partido da oposição.

Janira Hopffer Almada adiantou ainda, que a sua presença na cerimónia, além de ter motivos pessoais, serviu também, como “reconhecimento” por parte do PAICV, pelo percurso feito pelo ex-deputado e uma “justa homenagem” a um homem que era “grande de tamanho”, mas, sobretudo, um homem “grande” de valores e princípios.

O deputado da nação David Gomes, que representou o Movimento para a Democracia (MpD – no poder) nesta cerimónia, no seu tributo relembrou o malogrado como sendo um homem de “convicções fortes”, um “patriota assumido”, que “amou a Brava e a sua gente acima de tudo”.

De acordo com o deputado, José Domingos contagiou todos que tiveram o privilégio de conviver com ele, destacando os anos que dedicou a construir o iate (25 anos), que depois de regressar ao país, “salvou muitas vidas”, numa altura em que o problema de transporte na ilha era frequente, transportando doentes para a ilha vizinha.

No seu discurso, David Gomes não deixou de lembrar que José Domingos ou José de Sivera como era conhecido, foi uma grande perda para a cultura da ilha e do país, pois, era um “exímio executante” de vários instrumentos e detentor de uma “linda voz” que cantava em várias festas na ilha.

Por sua vez, o presidente da Câmara Municipal da Brava, Francisco Tavares, proferiu também os seus votos de pesar, considerando este momento como sendo “muito difícil” para a ilha, que perdeu um dos seus grandes filhos.

Para o autarca, falar de um homem da dimensão daquilo que foi a vivência de José Domingos “esquecerá sempre palavras”.

“Um homem que nos soube demonstrar que é sempre possível estar e vivenciar a política, colocando em primeiro lugar o seu amor à Dja Braba, as suas gentes”, salientou o edil.

As acções, conforme Francisco Tavares, deixaram lições para a actual e as gerações futuras, garantindo que, enquanto presidente da câmara, tudo fará para terem presente o nome de José Domingos nas suas vidas e o exemplo de amor ao próximo que este deixou.

Para finalizar, o edil fez a leitura de uma mensagem, que o ministro do Turismo e Transportes e Ministro da Economia Marítima, José da Silva Gonçalves, endereçou a ilha e de reconhecimento de quem foi José Domingos Lopes.

Os alunos da Escola Básica de Nossa Senhora do Monte, também endereçaram uma mensagem ao malogrado, que apoiou a escola sempre.

O corpo de José Domingos Lopes foi a enterrar nesta tarde, no cemitério de Nossa Senhora do Monte.

José Domingos Lopes nasceu em 1939, foi deputado nacional entre 2006 e 2011, eleito na lista do PAICV pelo círculo da ilha Brava, de onde era natural. Foi um opositor do regime colonial e como homem de muitas facetas deu um grande contributo cultural, social e político à ilha.

O mesmo faleceu aos 80 anos, vítima de doença.