Brava: Antiga residência oficial do Presidente da Câmara transformada em restaurante/bar para estupefação dos bravenses

  • 29/02/2020 14:32

Cidade de Nova Sintra, 29 Fev - A antiga residência do Presidente da Câmara Municipal da Brava, sita na avenida principal da Cidade de Nova Sintra foi transformada em restaurante/bar para estupefação dos bravenses residentes e na diáspora.

O edifício situado no coração da Cidade de Nova Sintra, que recebe o Centrum Sete Sóis Sete Luas e foi em tempos sede da Escola de Música da ilha Brava, foi transformada num bar/restaurante.

Esta informação chegou a Bravanews por intermédio de uma dezena de pessoas, que disseram estar estupefatas, tristes e revoltadas, pois entendem que a residência deveria ser dado outro destino, que não esta.

Sem a estrutura para o efeito e correndo o risco de uma degradação acelerada, o espaço foi alugado a um privado para exploração de um bar/restaurante, onde bebidas alcoólicas correm solto e música alta incomoda os vizinhos.

Procurado, o Presidente da Câmara Municipal da Brava, Francisco Tavares, disse cansado de comentar denúncias sem rosto e sem dono e nos remeteu para alguma reação quando Bravanews revelar suas fontes.

“Estas perguntas soltas e sem saber a origem e sempre sobre coisas aparentemente  negativas só merecerao respostas da Câmara Municipal da Brava quando estivermos num diálogo transparente”, alega, para acrescentar que “ou sabemos quem acusa ou nao respondemos a ninguém”.

Várias pessoas contactadas pela Bravanews avançaram que existem vários espaços que a edilidade poderia autorizar o funcionamento de um bar, mas nunca um edifício público, com bastante memória, que já recebeu Presidentes da República Portuguesa, Governos da Província de Cabo Verde, Presidentes da República de Cabo Verde independente, e residência oficial dos Presidentes da Câmara Municipal, José Maria Barros e Camilo Goncalves.

Na ilha Brava já existem pouco mais de meia centena de bares e espaços de venda de bebidas alcoólicas, abrir mais ainda num espaço com a memória da antiga residência oficial, a única na Brava, se trata de um “destrato a um bem público” que deveria merecer o respeito de todos.

 

OV -Bravanews