A dispersão de grupos de apoio a Ilha Brava, um obstáculo ao progresso coletivo

(...) A Ilha Brava, um pequeno paraíso no Atlântico, é lar de uma comunidade unida e resiliente. No entanto, nos últimos 30 anos, a proliferação de grupos de apoio com objetivos semelhantes têm sido mais uma fonte de divisão do que de cooperação. Desde a Amidjabraba, passando pelo Grupo Tradição, atravessando os Amigos da Escola da Brava até o Bravenses Unidos, a falta de coordenação e colaboração entre esses grupos têm prejudicado os esforços para resolver os desafios enfrentados pela ilha.

Feb 15, 2024 - 12:21
 0  98
A dispersão de grupos de apoio a Ilha Brava,  um obstáculo ao progresso coletivo

Um mar de boas intenções, mas sem direção unificada

A Amidjabraba, o Grupo Tradição, os Amigos da Escola da Brava, Ondas de Mar de Furna, Miniso de Padre Pio, Escola Materna de Nossa Senhora do Monte, Padre Pio Charities, Fidjus de Igreja de Nossa Senhora do Monte em Acção, Amigos da Escola de Mato Grande, Fundacao Marly, Bravenses Unidos… Padrinhos e Madrinhas das Escolas, Grupo de apoio ao Hospital da Brava, todos esses grupos têm em comum o desejo genuíno de apoiar e melhorar as condições sociais, educacionais e culturais na Ilha Brava. No entanto, a falta de comunicação e cooperação entre eles resulta em uma dispersão de esforços e recursos preciosos. Em vez de unir forças para enfrentar os desafios comuns, esses grupos muitas vezes competem por atenção e recursos, minando assim o potencial de impacto positivo que poderiam ter.

A máxima "a união faz a força" parece ter escapado à consciência de alguns emigrantes na América, que muitas vezes colocam interesses pessoais acima das necessidades colectivas da ilha. Em vez de colaborar para encontrar soluções sustentáveis e holísticas, alguns indivíduos veem esses grupos como uma oportunidade para promoção pessoal. 

Para superar esse obstáculo e alcançar verdadeiros avanços, é crucial que esses grupos reconheçam a importância da cooperação e da coordenação. Em vez de competir entre si, eles devem buscar activamente formas de colaborar, compartilhando recursos, conhecimentos e experiências para maximizar seu impacto colectivo.

Além disso, é essencial estabelecer uma estrutura de liderança unificada ou um fórum de coordenação, onde representantes de todos os grupos possam se reunir regularmente para alinhar estratégias e prioridades. Isso garantirá que os esforços de apoio sejam direccionados de forma eficaz e eficiente, beneficiando toda a comunidade da Ilha Brava.

Além dos grupos mencionados anteriormente, é importante reconhecer a presença e o potencial de outras organizações e iniciativas que outrora fizeram a diferença na Ilha Brava. Entre elas, destacam-se Ondas de Mar de Furna, Padrinhos de várias escolas da ilha, Fundação Marly, Amigos da Igreja de Furna, Padre Pio Charities, Miniso de Padre Pio, Amigos da Escola de Mato Grande entre outras.

Essas organizações, muitas vezes operando de forma independente, contribuiram significativamente para diversas áreas de necessidade na Ilha Brava, desde educação até assistência social e religiosa. No entanto, a falta de comunicação e colaboração entre essas entidades resultou em uma utilização ineficiente de recursos e uma sobreposição de esforços.

Imagine o poder transformador que poderia surgir se esses grupos se unissem em torno de um objetivo comum: o bem-estar e o progresso da Ilha Brava e de sua comunidade. Ao compartilhar recursos, ideias e melhores práticas, essas organizações poderiam amplificar seu impacto e alcançar resultados mais significativos do que poderiam individualmente.

Estabelecer canais de comunicação e colaboração entre todos esses grupos e organizações é essencial para construir uma rede de apoio mais forte e resiliente na Ilha Brava. Isso pode ser alcançado por meio de reuniões regulares, fóruns de discussão online, eventos de networking e outras iniciativas que promovam a troca de ideias e a cooperação mútua.

Construindo o futuro através da Cooperação Estruturada: Rumo a uma Confederação de Grupos Unificada

Diante da complexidade e urgência dos desafios enfrentados pela Ilha Brava, surge a questão crucial: não será o momento de avançarmos para uma nova fase de colaboração e coordenação através da formação de uma grande confederação de grupos? Uma confederação que seja guiada por uma direcção profissional, comprometida com a eficiência e a transparência, e cujos membros estejam verdadeiramente engajados nas acções e metas estabelecidas?

Ao unir forças sob uma confederação unificada, os grupos de apoio da Ilha Brava poderiam estabelecer metas ambiciosas e objetivos concretos para enfrentar os desafios mais prementes. Seja na área da educação, saúde, desenvolvimento econômico ou preservação ambiental, uma abordagem coordenada e estratégica permitiria um uso mais eficaz dos recursos disponíveis e uma implementação mais eficiente das soluções necessárias.

Uma confederação de grupos comprometidos com a prestação de contas periódicas e a transparência na gestão dos recursos seria essencial para garantir a confiança da comunidade e a eficácia das iniciativas desenvolvidas. Relatórios regulares de progresso, auditorias financeiras transparentes e mecanismos de participação da comunidade seriam fundamentais para garantir a responsabilidade e a integridade em todas as operações.

Naturalmente, a transição para uma confederação de grupos unificada apresentaria desafios significativos em termos de implementação e governança. Seria necessário estabelecer uma estrutura organizacional clara, com processos de tomada de decisão transparentes e representação equitativa de todos os membros. Além disso, seriam necessários recursos humanos e financeiros adequados para apoiar as actividades da confederação de forma eficaz.

Diante dessas considerações, convidamos todos os grupos de apoio da Ilha Brava a refletirem sobre a possibilidade e os benefícios de uma confederação unificada. Juntos, podemos superar os obstáculos que actualmente impedem nosso progresso coletivo e construir um futuro mais promissor para a Ilha Brava e suas comunidades.

Que este momento seja não apenas de reflexão, mas também de acção determinada em direcção à unidade e colaboração. Pois somente através da cooperação estruturada e do compromisso compartilhado com objetivos comuns podemos alcançar o verdadeiro potencial da Ilha Brava e garantir um futuro próspero para todos os seus habitantes.

Ao considerarmos a viabilidade financeira de uma confederação de grupos na Ilha Brava, é crucial avaliar cuidadosamente as fontes de financiamento disponíveis e buscar estratégias que garantam a sustentabilidade a longo prazo das operações. Nesse sentido, a opção por membros pagantes em vez de festas de angariação de fundos merece uma análise aprofundada, especialmente considerando os custos associados a este último.

Embora as festas de angariação de fundos possam ser uma fonte tradicional de receita, é importante reconhecer que uma parte significativa dos recursos arrecadados muitas vezes é direccionada para o custo de realização do evento em si. Isso pode incluir despesas com locação de espaço, fornecimento de alimentos e bebidas, entre outros, o que resulta em uma eficiência financeira relativamente baixa, com cerca de 65% do total arrecadado sendo utilizado para cobrir esses gastos.

Por outro lado, optar por uma estrutura de adesão de membros pagantes oferece uma série de benefícios tangíveis. Ao se tornarem membros da confederação, os indivíduos ou organizações interessadas não apenas contribuem financeiramente para o sustento das actividades, mas também demonstram um compromisso contínuo e engajamento com a missão e os objetivos da organização.

Além disso, a adesão de membros pagantes proporciona uma fonte de receita mais estável e previsível ao longo do tempo, o que é essencial para garantir a estabilidade financeira e a continuidade das operações da confederação. Essa previsibilidade permite um planejamento mais eficaz e uma alocação mais estratégica de recursos para atender às necessidades em constante evolução da comunidade da Ilha Brava.

Ao adoptar uma abordagem centrada em membros pagantes, a confederação de grupos também incentiva um maior envolvimento da comunidade e uma participação mais activa nas iniciativas e programas desenvolvidos. Os membros se tornam investidos no sucesso da organização e têm um interesse directo em seu progresso e impacto na comunidade.

Conclusão: 

A dispersão de grupos de apoio na Ilha Brava representa um desafio significativo para o progresso coletivo. Somente através da cooperação e coordenação entre esses grupos é que a comunidade poderá verdadeiramente superar os desafios que enfrenta. É hora de deixar de lado interesses pessoais e abraçar uma visão mais ampla e colaborativa para o bem-estar da ilha e de seus habitantes. Juntos, podemos construir um futuro mais próspero e sustentável para a Ilha Brava e suas gerações futuras.

À medida que olhamos para o futuro da Ilha Brava, é imperativo que reconheçamos a importância de unir forças e trabalhar em conjunto para enfrentar os desafios que se apresentam. Convidamos todos os grupos, organizações e indivíduos comprometidos com o bem-estar da Ilha Brava a se unirem nessa jornada colectiva rumo a um futuro mais próspero e sustentável para todos os seus habitantes.

Através da colaboração e solidariedade, podemos construir um amanhã melhor para a Ilha Brava e para as gerações vindouras, onde cada voz seja ouvida e cada contribuição valorizada. Juntos, somos mais fortes. Juntos, podemos fazer a diferença.

Em última análise, a decisão de priorizar membros pagantes em detrimento de festas de angariação de fundos representa um compromisso com uma abordagem financeira mais sustentável e eficiente. Ao maximizar o potencial de recursos e promover um maior envolvimento da comunidade, a confederação de grupos pode fortalecer sua capacidade de atender às necessidades da Ilha Brava e garantir um futuro próspero para todos os seus habitantes.

Moises Santiago

Pawtucket, 15 de Fevereiro de 2024

Qual é a sua reação?

like

dislike

love

funny

angry

sad

wow