Autárquicas 2020/Brava: Clóvis Silva diz que a sua candidatura será orientada pelos princípios da oportunidade e igualdade

  • 11/08/2020 09:15

O advogado e deputado do PAICV (oposição) Clóvis Silva lidera a candidatura do partido na ilha Brava, nas eleições autárquicas de 25 de Outubro em Cabo Verde, com foco na “oportunidade e igualdade” para todos.

Segundo explicou o candidato do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) à Inforpress, está a trabalhar para a Brava enquanto político já lá vão nove anos e a escolha do PAICV para liderar a equipa na ilha é uma decisão que vem sendo ponderada há já algum tempo.

Questionado sobre que princípios pretende trabalhar durante a campanha, Clóvis Silva avançou que a plataforma já se encontra em construção, onde a sua equipa vai ter a oportunidade de apresentá-la à população e que a mesma é orientada por duas palavras: “oportunidade e igualdade”.

Pois, conforme explicou, a Brava é uma ilha que “infelizmente” sente a falta desses dois princípios. “Uma ilha que tem uma juventude grande, que infelizmente sofre com a inactividade. Na Brava temos 30 por cento (%) das pessoas a trabalharem para sustentarem um todo”, disse o candidato.

Ou seja, reforçou que a ilha tem cerca de 70 por cento (%) de pessoas inactivas, que não têm idade para trabalhar, ou já estão idosas, ou têm alguma limitação, ou mesmo sendo jovens, “não estão a ter a oportunidade e igualdade de tratamento para poderem aceder pelo menos àquelas condições não só para ter um emprego digno, mas também para sentir que estão a contribuir para o desenvolvimento da ilha”.

Disse que estão a trabalhar no projecto, sempre pensado num colectivo, porque, afirmou, não querem ultrapassar ninguém.

Segundo a mesma fonte, “é um desafio enorme”. Mas, reforçou que a Brava é uma ilha com muitas potencialidades e os que são da ilha possuem a noção de que devem fazer alguma coisa. E, o dever fazer alguma coisa “implica uma entrega e um comprometimento”.

Entrega e comprometimento que segundo o mesmo nunca é uma opção individual ou pessoal, mas sim colectiva e um comprometimento de uma equipa.

Antes de decidir, Clóvis Silva contou que a sua primeira opção foi de auscultar as pessoas e ver até que ponto a população acarinharia uma decisão deste tipo.

Reforçou que o projecto da sua equipa é colectivo e que não só inclui as pessoas que moram aqui na Brava, mas também os bravenses que moram em outras partes de Cabo Verde e do mundo de forma a juntarem-se à volta de uma alternativa.

“Neste momento a Brava tem uma governação e nós não diríamos nunca que esta governação não fez nada, não vamos fazer tábua rasa daquilo que fizeram até agora, mas acreditamos que podemos fazer mais, sempre dentro de uma consciência nossa que temos de trabalhar com aquilo que nós temos”, enfatizou Clóvis Silva.

Entretanto, diz que é necessário mobilizar as pessoas, não só a nível financeiro, mas a nível de um comprometimento e com um projecto e mobilizar a sociedade à volta deste projecto.

“Não vamos fazer nenhum tipo de campanha que seja ofensiva, os nossos inimigos são a pobreza, o desemprego, problemas com a habitação, com a saúde, transporte, entre outros”, sublinhou.

Para finalizar, o candidato do PAICV na Brava garantiu que os “adversários vão receber críticas construtivas e uma postura digna de respeito e principalmente de ética” que é o que pautou a sua equipa desde o início desta opção.