Autárquicas/2020: Na pole position Francisco Tavares e Clovis Silva para o cadeirão dos Paços do Concelho

  • 14/06/2020 10:46

Para a eleição a acontecer entre Outubro e Novembro deste ano, a ilha Brava já conhece dois candidatos dos dois maiores partidos de Cabo Verde. Francisco Tavares e Clovis Silva, MpD e Paicv respectivamente.

 

Francisco Tavares é o candidato escolhido pelo MpD, com base em sondagens efectuadas, segundo as regras ditadas pelo Estatutos daquele partido político da direita liberal.

Substituindo o Presidente Orlando Balla que renunciou ao mandato em 2017, Tavares assumiu o cargo como edil em 2018 e desde então vem executando o programa aprovado pela Assembleia Municipal, na gestão do então Presidente Balla.

No seu baptismo de fogo, Francisco terá a tarefa de convencer aos bravenses votantes, de que embora chegou na cadeira da presidência por via indirecta, pois era Vereador, tem as condições de liderar a ilha, em tempos que se adivinha difícil. Ao seu favor tem o facto de estar a pouco mais de dois anos liderando a ilha.

Do outro lado da Trincheira está Clovis Silva. Político experimentado, «Clovis Isildo Silva», como é também chamado, conhece bem as terras do poeta Eugénio Tavares, onde passou a infância, reside e tem escritório de advogado desde 2004 a esta data. Com uma forte intervenção social através de várias organizações da sociedade civil, Clovis é um político calejado, que está no pelotão da frente nos debates políticos no parlamento cabo-verdiano, onde tem desempenhado vários cargos de responsabilidade, com destaque para o de presidente da Comissão Especializada dos Assuntos Jurídicos, Direitos Humanos e Comunicação Social.

Apostando no binómio renovação e experiência, o maior partido da oposição já tem um candidato com um novo projecto político para concorrer e governar a Brava, caso venha a ser eleito. Trata-se de Clovis Isildo Barbosa de Lomba Silva, licenciado em Direito e deputado da nação pela mesma ilha. Clovis conta já com o forte apoio da estrutura regional e da liderança nacional de Janira Hopffer Almada.

Com os dados já lançados, caberá a população da Brava, depois de ouvir as propostas dos dois lados, decidir o que melhor servirá a ilha nos próximos dois anos.