EUA: Denúncias de deportação clandestina de cabo-verdianos para Cabo Verde

  • 15/11/2020 10:13

Lisa Lopez denuncia, através de um email remetido ao Asemanaonline e a vários outros órgãos de comunicação social, que a Embaixada de Cabo Verde nos Estados Unidos da América tem vindo, nos últimos tempos, principalmente depois da tomada de posse do antigo Embaixador Carlos Veiga, a aceitar a deportação de dezenas de cabo-verdianos nos EUA em voos charter e de forma escondida para que não seja do conhecimento dos cabo-verdianos e da comunicação social. Além de considerar grave esta situação, a mesma fonte anuncia que, na próxima semana, deverá chegar a Cabo Verde um contingente de cerca 10 repatriados dos EUA.

«Cerca de uma dezena de cabo-verdianos serão deportados na próxima semana, alguns deles chegaram aos estados unidos ainda crianças e não conhecem nenhuma realidade cabo-verdiana. Muitos foram incriminados pelo próprio sistema americano, porque nunca foram julgados pelos seus crimes. Na maioria dos casos, foram aconselhados pelos advogados (disponibilizados pelo estado) para declararem culpados e depois enviados para as autoridades de imigração que decidem pela deportação deles», lê-se na nota distribuída à imprensa.

Segundo a mesma fonte, no anterior governo de PAICV, a Embaixada de Cabo Verde não colaborava com todas as solicitações das autoridades de imigração porque estavam cientes que em alguns casos os cabo-verdianos estavam a ser mal orientados pelos advogados. «O Carlos Veiga (penúltimo Embaixador substituído pelo actual - José Luís Livramento) não quis saber dos interesses dos cabo-verdianos e das famílias que serão separados para sempre. Ele fez ainda assinar o acordo SOFA que permite os soldados americanos de não serem julgados pela Justiça cabo-verdiana. No entanto, os cabo-verdianos são julgados nos Estados Unido, presos e depois deportados para o país. Estão a ser duplamente castigados», denunciou.

No email referido, Lisa Lopez pergunta ao Governo de Cabo Verde porque que interferiu nas relações externas dos Estados Unidos, colaborando com este na apreensão do colombiano-venezuelano Alex Saab, colocando até a segurança de Cabo verde em causa. «Porque que não recebe a mesma colaboração por parte das autoridades dos Estado Unidos em relação aos seus cidadãos», questiona a mesma fonte no email (lisa_lopez1980@hotmail.com), distribuído a vários órgãos da imprensa em Cabo Verde.