Futebol/Brava: Número de clubes inscritos poderá ser maior do que na época anterior

  • 19/11/2020 00:55

O presidente da Associação de Futebol da Brava (AFB) disse hoje que desconhece ainda os clubes que vão participar nas competições nesta época desportiva, mas admitiu que o número poderá ser maior do que na época anterior.

A informação foi avançada à Inforpress por Samuel Varela, indicando que já estão a trabalhar na preparação da época, em constante diálogo com a Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF).

Segundo a mesma fonte, a associação já possui conhecimento da existência do plano de contingência e está a aguardar pela socialização do mesmo para poder trabalhar de acordo com o estabelecido no plano.

Em relação aos clubes que possam vir a participar na época desportiva, que conforme avançou já vai iniciar um pouco atrasada em relação aos anos anteriores, sublinhou que muitos dos dirigentes têm questionado sobre o início e os trâmites pelos quais vão funcionar a época.

Até porque, realçou que muitos clubes ainda estão um pouco reticentes em relação à contratação de jogadores, tendo em conta a situação vivida no País e no mundo.

Daí, Samuel Varela comentou que vão sugerir a prorrogação do prazo da inscrição na plataforma Cabo Verde Connect, porque nem todas as equipas da ilha se inscreveram e mesmo a nível das associações nacionais possui informações que há equipas que ainda não fizeram as suas inscrições.

Situação esta que deve ser “relevada”, pois considerou que se está a viver uma “incógnita” e os clubes não estão a arriscar fazer investimentos sem as devidas garantias de como vai funcionar a época desportiva.

Neste momento avançou que “possivelmente”, o clube da Juventude da Furna que não participou nas duas épocas anteriores e mesmo o clube do Benfica que também tinha se ausentado na época anterior possam voltar a participar.

Além disso, sublinhou que algum clube ainda não possui a direcção organizada, mas diz acreditar que “ainda há tempo”.

Samuel Varela aproveitou para pedir o engajamento de todos os clubes e dirigentes, pois segundo o mesmo, todos já possuem conhecimento da situação que o País está a atravessar e o “futebol não foge a regra”.

“Nós todos devemos dar o nosso melhor para termos as nossas provas e que possam decorrer com maior serenidade, tranquilidade, respeitando tudo o que vai ser as leis sanitárias que serão o código de conduta durante a organização das provas”, finalizou o responsável.

MC/CP

Inforpress/Fim