Brava: Ponto focal do SIGE na Brava tenciona implementar sistema a partir do pré-escolar no ano lectivo 19/20

  • 29/06/2019 13:00

O ponto focal e administrador do Sistema Integrado de Gestão Escolar (SIGE), João Paulo Silva, adiantou hoje que a intenção é alargar o sistema desde o pré-escolar para uma “melhor gestão” dos dados mais tarde.

João Paulo Silva falava à Inforpress, no âmbito do processo de lançamento de notas do terceiro trimestre e logo do final do ano lectivo, que está a decorrer desde quinta-feira, na Escola Secundária Eugénio Tavares.

Segundo o mesmo, neste momento já terminaram o lançamento do ensino secundário, do 9º ao 12º ano, e estão programados para no dia 02 de Julho trabalharem as notas do 5º ao 8º ano e no dia 10 de Julho, trabalhar as da 1ª a 4ª classe.

Até este momento, garantiu que o processo tem decorrido na “normalidade, e que o sistema está funcionando bem”, pese embora algum ou outro constrangimento mas que se resolve sem sobressaltos.

De acordo com este responsável, tendo em conta as notas do ensino secundário já foram lançadas, podem fazer um “balanço positivo”, na medida que a ESET possui uma meta, que é a de atingir os 65 a 66 por cento (%) de qualidade e de aproveitamento.

Mesmo não estando em condições de adiantar um número exacto, visto que alguns alunos ainda vão fazer as provas de recursos, está convicto de que podem “superar” os 70 por cento (%) de aproveitamento.

Em termos de acompanhamento e envolvimento dos pais e encarregados da educação neste sistema, o ponto focal salientou que existem alguns pais que demonstram interesses no programa.

Lembrou que é um trabalho que tem vindo a fazer há alguns anos, trabalhando no sistema e criando o código “nha dossiê”, que é o código de alunos e dos pais e encarregados da educação, que através do portal “Porton di Nôs Ilha” têm acesso na hora quando os professores lançam as avaliações, notas dos testes.

O responsável lamentou, entretanto que poucos pais tomam esta informação no sentido de acompanharem os seus educandos, e em contrapartida, possuem um grande número de alunos que acompanham os seus resultados através do portal.

Para trabalharem a comunidade educativa, no sentido de se inovarem, realçou que tem sido algumas acções de sensibilizações em termos da importância de entrarem no SIGE, principalmente nos encontros realizados com os encarregados de educação, mas a fraca adesão dos pais nestas reuniões tem limitado muito o campo de actuação da equipa.

Daí, aproveita para apelar aos pais e encarregados de educação que participem mais, dirigindo dirigirem à escola, que perguntem pelos filhos em qualquer lugar que seja, de forma a demonstrarem os alunos/filhos que há alguma fiscalização e controlo sobre eles.

Segundo a mesma fonte, caso houver um acompanhamento contínuo do SIGE, o aluno sente-se “mais responsável”.

Além do mais, sublinhou que este programa trouxe uma “grande inovação” tanto para o corpo docente, discente como para toda a comunidade educativa, envolvendo também os encarregados da educação.

João Paulo Silva afirmou que é uma “mais-valia”, dado que todo o historial do aluno encontra-se no sistema e pode ser consultado em qualquer hora e em qualquer parte, e é uma busca rápida.

A funcionar desde o ano passado, conforme contou, este sistema foi implementado desde a primeira classe, e para este ano lectivo a ideia é implementar o sistema desde o pré-escolar.

De acordo com o responsável, o objectivo é fazer um “trabalho minucioso”, colocar os dados do aluno directamente no sistema, acreditando-se que fazendo este trabalho desde do início, o resto será apenas fazer o acompanhamento nos anos subsequentes e que no dia em que for necessário algum documento, é só consultar e imprimir.

MC/JMV