Filha de Amílcar Cabral aconselha deputado cabo-verdiano a “voltar às aulas”

  • 03/05/2019 05:36

A filha mais velha de Amílcar Cabral aconselhou hoje o deputado cabo-verdiano Emanuel Barbosa a “voltar às aulas”, após este ter afirmado ser um “exagero” considerar Amílcar Cabral como figura de Estado.

Na terça-feira, numa publicação na sua página no Facebook, o deputado cabo-verdiano Emanuel Barbosa (Movimento para a Democracia, no poder) disse ser um “exagero” considerar Amílcar Cabral, visto como o fundador das nacionalidades cabo-verdiana e guineense, uma figura do Estado de Cabo Verde, explicando que isso viola a Constituição da República, e mostrou-se contra a afixação de quadros seus em instituições públicas.

Instado pela agência Lusa a comentar essas afirmações, a historiadora Iva Cabral começou por dizer que o deputado “deveria voltar às aulas e aprender o que é um Estado”.

“Acho que a ignorância é triste, mas o que é que hei de fazer? É que não há muito que dizer. É uma tentativa, que não é de hoje [de diminuir a figura de Amílcar Cabral], mas acho que não é com esse tipo de raciocínio que vão conseguir o quer que seja”, afirmou.

Considerando a discussão “sem nexo”, Iva Cabral entendeu que “se o Estado de Cabo Verde quer valorizar a sua história, põe quadros onde quiser e como quiser, mas se não quer valorizar a História retira os quadros todos”.

“Toca-me, mas não me importa se há quadro, se não há quadro, eu sei a importância do meu pai, cada vez mais. Estão cada vez mais a estudar a obra dele nas universidades, estão cada vez mais a admirá-lo”, sustentou Iva Cabral.

A filha mais velha de Amílcar Cabral referiu que se os políticos cabo-verdianos acham que o pai não é uma figura do Estado, que “façam o que quiserem”.

“Tenho pena de este país ter deputados dessa laia. Isso é que dá pena. Com tantos bons quadros nesse país e ter um senhor que não sabe nem o que quer dizer Estado”, lamentou à Lusa.

Iva Cabral considerou ainda que as afirmações não terão o resultado que o deputado queria, mas ante que vai “atiçar” a vontade das pessoas em pesquisar mais sobre Amílcar Cabral.

A historiadora considerou que as afirmações de Emanuel Barbosa não beneficiam o seu partido, o Movimento para a Democracia (MpD), que já se demarcou dessa opinião, dizendo que as mesmas “só vinculam” aquele eleito nacional.

“O MpD respeita a figura de Amílcar Cabral e o seu papel de destaque na luta da libertação nacional”, disse o secretário-geral do partido, Miguel Monteiro, numa nota citada pela Inforpress.

Para Iva Cabral, essa posição mostra que “há gente muito inteligente e capaz no MpD”.

“Acho que chegou a um ponto onde se tem de começar a escolher muito melhor os deputados, porque é uma vergonha. Essa declaração não toca o Cabral, nem de perto nem de longe, toca os deputados, a Assembleia [Nacional] ter gente desse tipo, é verdadeiramente triste”, terminou.

Emanuel Barbosa fez o comentário após ver o quadro de Amílcar Cabral afixado no Aeroporto da Boa Vista, e indicou que já encontrou uma fotografia exposta no Tribunal da Comarca local e na Conservatória da Praia.

O parlamentar sublinhou que as figuras do Estado estão todas plasmadas na Constituição da República, que entrou em vigor em 25 de Setembro de 1992, 19 anos após a morte de Cabral.

Inforpress/Lusa/Fim