São Nicolau e Brava com problemas de ligações marítimas: Passageiros retidos em plena época do Natal nos cais da Furna e do Tarrafal

  • 21/12/2019 13:04

O clima é de revolta entre passageiros que estão retidos no cais do Tarrafal de São Nicolau e da Furna, na Brava. É que muitos – alguns dos quais professores que pretendem passar o fim-de-ano junto da família - viram, em plena época do Natal, as suas viagens canceladas, sem que tenham recebido qualquer aviso prévio por parte da Cabo Verde Inter-ilhas.

Segundo operadores do sector, em causa está avaria registada em dois navios da CV Interilhas. Consta que o San Guan, alugado por 300 mil contos durante três meses, passa por avaliação/avaria técnica e encontra-se ancorado no Porto Grande de Mindelo. Já o Sotavento, que está avariado segundo operadores locais e não por causa do mau tempo como alega o capitão do navio, permanece no Porto da Furna. Daí as broncas com a suspensão das ligações regulares nas rotas de Brava/Fogo/Santiago/Maio e São Vicente/S.Nicolau/Sal/Boa Vista – CVI promete um pronunciamento sobre o assunto a qualquer momento.

Thelma Ferreira, professora do Ensino Básico na Escola Lucília Freitas da Zona de João Baptista do Tarrafal de São Nicolau, critica que, ela e mais 25 colegas aproximadamente que tinham viagem confirmada para 24 horas desta sexta-feira, foram surpreendidos que só podem viajar neste sábado,21. «Estamos revoltados com esta mudança, sem que a CVI nos tenha informado disso com certa antecedência. Por isso, eu e os restantes professores de S.Vicente, que trabalham no ensino básico e secundário, protestamos (ver foto) contra esta situação junto da agência da CVI na Vila do Tarrafal, porque isto representa uma falta de respeito para nós».

Segundo Thelma, o pessoal da agência justifica que o problema de mão tempo poder estar na origem do adiamento da viagem, mas considera que isso é falso, porque cerca das 10 horas de hoje o navio Praia D’Aguada partiu do Tarrafal, rumo a São Vicente. « A CVI podia nos mandar neste navio, que foi com pouca gente, segundo alguns passageiros nos informaram. Somos professores que trabalham em São Nicolau e queremos aproveitar este período de férias para passar o fim de ano com as nossas famílias em São Vicente», desabafou.

O cenário é idêntico na Brava, que está, desde quinta-feira isolada do resto do país por falta de ligações marítimas.

Segundo a Inforpress, os passageiros, com destino à ilha do Fogo e Praia a partir do cais de Furna na ilha Brava, encontram-se retidos, desde manhã de quinta-feira, e dizem não ter “nenhuma justificação convincente” por parte da tripulação ou da agência.

A passageira Paola Dias explica que, desde quinta-feira às 07:00, foi ao cais na tentativa de viajar para a ilha do Fogo no navio Sotavento e, de seguida, apanhar um voo com destino à cidade da Praia. Mas que, depois de tanta espera com o navio no cais, foram informados de que a viagem estava suspensa, aguardando indicações superiores devido ao estado do mar.

Segundo a mesma fonte, ela contou que depois, por volta das 16:00, cancelaram definitivamente a viagem e os passageiros retornaram à casa, para regressarem hoje,20, de amanhã ao cais.

Esta passageira informou ainda que tinha uma viagem para a Praia, voo que já perdeu na quinta-feira e encontra-se na expectativa de conseguir viajar para apanhar o voo das 08:30 de sábado.

Jonathan Santos, um outro passageiro que se encontra no cais de Furna, contou, segundo a Inforpress, que o problema vem desde a semana passada, em que o navio Sotavento saiu da cidade da Praia, depois teve que voltar a meio caminho e só dois dias depois conseguiram chegar na Brava no navio Liberdadi.

Chegados na Brava, a viagem de regresso, segundo ela, estava agendada para sexta-feira, no navio Sotavento, tendo-se solicitado a presença dos passageiros para às 07:00 no cais de Furna, mas o navio não saiu, conta Jonathan Santos.

Segundo este passageiro, a informação que lhes foi dada é que o estado do mar não permite realizações de viagens, mas contestou, dizendo que um barco de menor porte saiu da Brava, foi para os ilhéus Rombos e daí seguiu para a ilha do Fogo.
“Como é que um barco pesado como este não consegue fazer a viagem? Têm de transmitir informações convincentes, porque há grávidas, pessoas com crianças, passageiros com voos agendados e que muitos já os perderam e a situação continua crítica”, questionou o passageiro indignado, citado pela Inforpress.
Lamentando esta situação, a mesma fonte sugeriu que caso o barco não esteja em condições para realizar viagens, que seja substituído, pois, ajuntou, a agência não se responsabiliza pela estadia dos mesmos, nem das cargas.

Neste momento, há informações que os passageiros receberam de volta as suas passagens, para aguardarem alguma decisão por parte da tripulação do navio ou da agência Inter Ilhas.

Delegado marítimo e estado de tempo

Contactado o delegado marítimo na ilha, Marino Rodrigues, informou, prossegue a Inforpress, que já há alguns dias que o estado do mar não é o melhor, tendo sido emitido um boletim informando do estado do tempo, principalmente para a zona norte, o que levou o comandante do navio, segundo o mesmo, a tomar a decisão de cancelar as viagens.

Adiantou ainda que esta decisão está sendo suportada pela delegação marítima, visto que na quinta-feira o navio fez uma viagem “turbulenta”. Esta informação é, no entanto, contrariada por operadores na ilha em declaração ao ASemanaonline, segundo a qual o navio Sotavento sofreu avaria – teve problema no motor, que por vezes parou e demorou arrancar, no percurso Fogo/Brava.

A Inforpress tentou contactar a Inter Ilhas via telefone, mas os resultados foram infrutíferos, uma vez que os representantes na ilha não podem avançar nenhuma informação. Ilustração: Fotos: Interior da peça (protestos na agencia do Tarrafal SN) e principal (caís da Prava, Inforpress).

 

asemana