Professores ameaçam em bloquear as notas do segundo trimestre com apoio do Sindprof, SINDEP contrapõe com greve geral

A maioria dos professores está decidido, segundo o Nucleo Nacional de docente, em bloquear as notas do segundo trimestre, como forma de pressionar o Ministério da Educação a dar respostas às suas reivindicações referentes ao salário, promoções e aos subsídios ligados ao acréscimo de custo. O Sindicato Nacional de Professores (SINDEP) sugere, no entanto, greve-geral, por dispor de parcecer jurídico de que a iniciativida de se bloquear notas de alunos pode ser ilegal.

Mar 17, 2024 - 16:07
 0  51
Professores ameaçam em bloquear as notas do segundo trimestre com apoio do Sindprof, SINDEP contrapõe com greve geral

Segundo a Inforpress, o anúncio foi feito nesta sexta feira em conferência de imprensa, na Cidade da Praia, pela representante do Núcleo Nacional de Professores, Aleida Semedo, e que contou com a presença da presidente do Sindicato Democrático dos Professores (Sindprof), Líbia Herbert.

"Os professores estão decididos a não colocar neste trimestre as duas avaliações no sistema até que o Ministério de Educação se reúna com os interessados e apresente soluções viáveis e palpáveis, que vão ao encontro com as propostas feitas e as reivindicações apresentadas", anunciou.

Para a porta-voz dos professores, trata-se de uma luta em busca da dignidade profissional e humana, assim como mais reconhecimento, mais valorização e, sobretudo, “uma reacção verdadeira e proactiva das autoridades do país".

"Esta luta (...) não é diferente de qualquer outra, nem está fora do contexto ou da realidade actual do país. Todos têm acompanhado os investimentos feitos visando dignificar outros sectores, enquanto nós estamos descatados e desgastado", observou Aleida Semedo, para quem classe tem sido alvo de "troça".

Para o Núcleo Nacional dos Professores, o Ministério de Educação tem arrastado os problemas e as soluções, resolvendo coisas encurtadas e que não acarretam custos, com o intuito de "ludibriar" a sociedade e os incautos.

"Estivemos em negociações através dos sindicatos por longo tempo e ainda continuamos a ter em mãos apenas vento. Apenas uma minoria da classe é que tem sido contemplada, vistos que continuamos sem respostas às reivindicações do salário, promoções e aos subsídios ligados ao acréscimo de custo", denunciou.

Perante essa situação que os professores classificam de "descaso" da tutela e ausência de contraproposta "condigna", decidiram bloquear as notas os alunos neste trimestre.

"Neste momento esta é a nossa forma de luta. Parece-nos ser o único meio encontrado para demonstrar o nosso desagrado, a nossa insatisfação e a nossa revolta”, justifica, segundo ainda a Inforpress, o Núcleo Nacional dos Professores, garantindo que conta com o respaldo da maioria dos professores.

Por sua vez, Lígia Herbert garantiu que SINDPROF apoia toda as formas de luta dos professores desde que sejam legitimas, demonstrando, contudo, aberto e disponível para novas negociações.

Leitura bem  diferente tem o presidente do SINDEP; que alertou, em encontro com a imprensa, «que a inicaitiva de se não dar notas aos  alunos poder ser ilegal», conforme o parecer  jurídico que tem em seu poder. Jorge Cardoso sugeriu, em contra partida, greve-geral que não afeta indivudaulmente os pofessores. É que, segundo ele, os docentes que não dão  notas aos alunos correm o risco de serem alvos de processo disciplinar, além  de não receberem o  salário nos dias ou no periodo em que não deram notas aos alunos.

Diante do quadro acima descrito, o lider do SINDEP apela para  mais prudència e consertação  entre os diferentes sindicatos que representam os docentes nas formas legais de luta a se dotar em defesa dos interesses da classe, sem os prejudicar na carreira e no recebimento do salário.

 

Sindprof apela para retoma das negociações

 

"Voltamos a reiterar a nossa vontade e total disponibilidade para se voltar à mesa para novas negociações, caso o Ministério de Educação demonstrar boa vontade e bom senso", frisou.Lígia Herbert.

No entanto, advertiu que sem progressão e propostas para os professores o Sindprof não se abdicará da resolução das pendências, entre as quais, conforme detalhou, a equiparação salarial com a dos quadros privativos.

O Sindprof, segundo a presidente Lígia Herbert  havia declarado à Inforpress, que apresentou uma proposta com o pedido de aumento salarial de 78.678 escudos para 107.471 escudos de salário base, mas não foi aceite na última reunião com o Ministério da Educação e a Direcção-Geral do Trabalho.

Entre as reivindicações, os professores pedem a conclusão de reclassificações, promoção automática, regularização da atribuição dos subsídios por não redução da carga horária até 2024, melhorar a carreira dos mestres, doutores e professores universitários, regularização da carreira das educadoras de infância, regularização do processo de transição dos professores e revisão do Estatuto da Carreira do Pessoal Docente.

 

Qual é a sua reação?

like

dislike

love

funny

angry

sad

wow