Brava: cerca de 40 famílias mais carenciadas serão beneficiadas com uma cesta básica a partir de Agosto

  • 31/07/2018 11:46

Cidade de Nova Sintra, 31 Jul (Inforpress) – Famílias mais carenciadas da ilha Brava vão ser apoiadas com uma cesta básica, iniciativa da Liga Adventista de Solidariedade, que vai gastar por cada família um valor que varia entre 1800 a 7600$00.

Pedro Lopes, responsável pelo projecto, avançou à Inforpress que, além da cesta básica, que vai beneficiar cerca de 40 famílias, o projecto também prevê regularizar a situação destas em relação à água canalizada e electividade.

“A maioria destas pessoas que já rastreamos estão com o serviço de água e electricidade cortado. Vamos entrar em contacto com a Águabrava e a Electra para tentar resolver a situação destas famílias”, assegurou o responsável.

Para mapear estas famílias, um grupo de jovens da Igreja Adventista da ilha realizou um inquérito em todas as zonas, de forma a se inteirarem melhor da situação das famílias, as condições em que vivem e conhecer a estrutura de cada agregado familiar.

O projecto, de acordo com Pedro Lopes, foi elaborado pela Igreja e está sendo financiado pelo Governo, que já disponibilizou o montante, indicando que o projecto poderá chegar a outras ilhas.

Este apoio às famílias vai ser assegurado pelo projecto a partir do mês de Agosto e vai decorrer até Dezembro do corrente ano, com o “objectivo de diminuir os problemas e transtornos causados pela seca”.

“Tivemos algumas informações fornecidas pela Câmara Municipal local, de algumas famílias que já tinham pedido apoio, e no terreno vamos encontrando outras em situações precárias, que exigem uma intervenção urgente”, disse Lopes.

De acordo com este responsável, a situação é muito mais complicada e complexa do que aquela que se podíamos imaginar.

“Existem pessoas a viverem numa pobreza extrema. Situação triste e lamentável mesmo”, lamentou Pedro Lopes.

Este projecto está previsto para se iniciar no mês de Agosto e segundo Pedro Lopes tudo será feito para que o programa arranque o mais breve possível, de forma a evitar mais constrangimentos e tentar minimizar o sofrimento das famílias mapeadas que serão beneficiadas.

 

Inforpress/fim