Brava: Ministro garante que “é uma prioridade” do Governo actuar no sentido de facilitar a circulação em Fajã d’Água

  • 23/01/2023 08:09

O ministro da Administração Interna, Paulo Rocha, garantiu hoje que é uma prioridade do Governo envidar esforços e remover as terras e pedras na estrada de ligação para Fajã d’Água de forma a facilitar a circulação.

O governante fez estas declarações à imprensa no acto da cerimónia alusiva ao Dia de São Vicente, ao ser questionado pela Comunicação Social sobre a situação da derrocada que aconteceu na tarde de sábado, 21, em Fajã d’Água, isolando por completo a zona.

“Trata-se de uma massa bastante grande de terra que acabou por obstruir a via, encontrando-se a população em isolamento o que significa que é uma prioridade do Governo concentrar todos os esforços no sentido de remover as terras e as pedras e facilitar a circulação das pessoas”, anunciou o governante, informando que as autoridades locais já se encontram no terreno a acompanhar a situação.

Paulo Rocha considerou que este desabamento é “bastante complicado”, pois ocorreu também a obstrução de estrada, reforçando que, entretanto, “não há vítimas a considerar”.

Avançou que a Protecção Civil Nacional já está em contacto com o serviço da Protecção Civil Municipal, Instituto de Estradas e com a própria Câmara Municipal da Brava, para tomar o ponto da situação no terreno e assim seguir os próximos passos.

Quanto a possibilidade desta derrocada ser de origem de uma erupção, Paulo Rocha eliminou por completo esta hipótese, sublinhando que Cabo Verde é um país de origem vulcânica, mas é que “é importante dizer que é sobretudo devido a qualidade do terreno naquela zona que é sempre instável que levou a este episódio, não estando perante uma erupção vulcânica de modo nenhum”.

Para finalizar, o ministro salientou que Fajã d´Água é uma zona bastante isolada, onde a outra via para chegar à zona seria através do mar, mas nesta questão, informou que apenas os técnicos no terreno poderão ter uma visão maior e melhor em termos de tempo e solução.

Sobre este episódio, o presidente da Câmara Municipal da Brava, Francisco Tavares, fez uma publicação na página do Facebook da autarquia após uma visita ao local acompanhado do ponto focal municipal da Protecção Civil, onde realçou que constatou o “quão difícil” é a descida e subida, pela rocha, até Fajã d´Água, informando que na segunda-feira vão iniciar os trabalhos para criação de um acesso vicinal com menor dificuldade.

A localidade de Fajã d´Água ficou isolada no final da tarde do passado sábado, 21, após uma derrocada que além de rocha e terra levou consigo um troço de estrada.