Estado vai desembolsar milhões para TACV: Governo dá aval para empresa contrair empréstimo no valor de 1.488.577.500 escudos

  • 13/10/2017 02:41

O dossier TACV volta à ribalta com o Estado a desembolsar milhões para a empresa. É que esta recebeu o aval positivo do Governo para contrair um empréstimo no valor de 1.488.577.500 mil escudos para o cumprimento do plano da reestruturação com vista à sua privatização. Conforme a resolução nº 111/2017 publicada no Boletim Oficial (BO), o Governo estabeleceu como um dos principais objectivos a viabilização de Cabo Verde como plataforma de distribuição de tráfego aéreo de carga e de passageiros, garantindo a ligação entre as ilhas e a ligação do país à diáspora.

“Para tal e em cumprimento com o plano de restruturação em curso, tendo em conta a sua situação económica financeira desfavorável que a empresa apresenta, a mesma precisa recorrer a um co-finaciamento bancário junto do Banco Privado Internacional (BPI), do Banco de Negócios Internacional (BNI) e do Banco de Negócios Internacional (BNI-Europa) no valor de 13.500 euros”, lê-se no documento.

O Secretário-geral do MpD, Miguel Monteiro, justifica, no entanto, que a situação que foi deixada nos TACV pelo anterior Governo é “muito frágil e muito débil, por isso, para a empresa entrar nos eixos, tem de continuar a contrair empréstimos.

Promessas e gastos

“O objectivo é ter em 2021 os TACV com 11 boeings para servir Cabo Verde, e que o transporte para a Europa, para a África e para a América conta com esses aviões dos TACV, mas que até lá é preciso resolver esta situação” advoga o SG do partido no poder.

Entretanto, o anuncio desta medida já está a provocar muitos questionamentos entre os cabo-verdianos. É que, tendo o governo criticado o governo anterior de ter feitos muitos gastos com a TACV, alguns dos críticos dizem que esperava-se agora menos gastos.

«Afinal, o Estado continua a desembolsar milhões para a TACV, apesar de o Governo ter anunciado que ia mobilizar parceiros estratégicos que podiam trazer mais capitais para a companhia nacional de Bandeira», comenta as mesmas fontes, para quem o executivo de Ulisses Correia e Silva volta a agir em sentido contrário ao que prometeu durante a campanha eleitoral.